O treinamento pliométrico é um dos melhores modelos de treinamento para o desenvolvimento pliometrico mb 2da potência, da velocidade, da força rápida-explosiva, e da taxa de desenvolvimento da força em atletas que utilizam dessas habilidades nas suas respectivas modalidades esportivas.

Nesse método de treinamento são utilizados principalmente saltos das mais variadas formas, lançamentos e agarre de medicine balls, e outras ações similares.

pliometrico 1Auxilia sobremaneira nos padrões de sincronização dos grupos musculares envolvidos, tornando o corpo mais habilidoso e coordenado para a realização das tarefas motoras desportivas que os esportes exigem na sua prática.

Uma das suas principais características fisiológicas é o ajuste do ciclo alongamento-encurtamento através de mecanismos neurais, o que permite a ocorrência de um acúmulo de energia elástica dentro do músculo – funcionando como uma espécie de elástico propulsor – no momento da execução do exercício, tornando-se mais exuberante à medida que a pliometria entra na rotina da preparação física. Isso permite que o atleta desenvolva uma maior capacidade de produzir potência nas suas ações técnicas desportivas.

Em alguns momentos ou situações da preparação física, o treinamento pliométrico pode ser CAE 1trabalhado em conjunto com o treinamento de força.

Advertisements

Treinamento e recuperação

January 26, 2013

Como já foi mencionado anteriormente em outros posts, já é bem documentado pela ciência que volumes altos de treinamento ou passar horas na academia não proporcionam resultados positivos, principalmente se for comparado com sessões de treino mais curtas e com mais qualidade. Isso vale tanto para atletas quanto para entusiastas.

O treinamento físico é uma forma de estresse para o organismo, e é durante a recuperação adequada desse estresse que os nossos sistemas fisiológicos criarão ajustes que farão com que os seus efeitos se tornem favoráveis ao corpo, é o que chamamos de Supercompensação. Se treinamos muito, a recuperação terá que ser proporcional, e muitas vezes não há um tempo hábil para que isso ocorra, porque a pessoa mal informada ou teimosa acha que tem de treinar forte todos os dias, “pensando” que quanto mais melhor e em questão de pouco tempo ela estará esgotada.

É preciso valorizar mais a recuperação e menos o estresse. Muita gente se quebra, porque  faz justamente o contrário.

Image

Já é amplamente bem documentado e comprovado, os benefícios dos exercícios com pesos sobre a capacidade funcional, força de membros inferiores, aumento da densidade mineral óssea, aumento da massa muscular, maior gasto calórico em repouso pelo aumento do metabolismo basal, diminuição de gordura, melhora da mobilidade, melhora da postura, melhora da função cardiovascular, equilíbrio da regulação hormonal, entre outros, na população idosa. Dentre todos os estudos que investigam os efeitos do treinamento de força em idosos, os que mostram resultados significativos, são aqueles que se utilizam de programas de treinamento com altas intensidades de sobrecarga. 

Diante desse quadro, podemos perceber com clareza que todo esse aglomerado de benefícios ocorre também na população jovem e de meia idade, e de uma forma mais exuberante e abrangente, pois todos os decréscimos fisiológicos pelos quais somos submetidos com o avanço da idade serão inibidos pela prática de treinamentos com pesos, proporcionando-nos um envelhecimento saudável e com independência funcional.

Dentre os sistemas de treinamentos com pesos, os mais eficientes para um envelhecimento saudável são o Treinamento Funcional com cargas tensionais, pesos livres e cabos, e o Levamento de Peso Olímpico. Esses dois sistemas se utilizam de um trabalho muscular amplo e integrado, fazendo com que os benefícios gerais sejam muito maiores e com mais qualidade do que os sistemas convencionais.

Referência bibliográfica:

Posicionamento Oficial American College of Sports Medicine. Mazzeo, Cavanagh, Evans, Fiatarone, Hagberg, McAuley, Startzel (1998).

Em épocas remotas, o homem necessitava do corpo e da sua desenvoltura física para sobreviver. Todas as suas atividades, desde as mais simples às mais complexas, dependiam de um rendimento físico satisfatório, tendo em vista o ambiente extremamente hostil ao qual era submetido.

Todos os recursos que o nosso corpo dispõe hoje são idênticos aos do homem primitivo. Padrões de movimentos, habilidades motoras e sistemas fisiológicos são exatamente os mesmos em épocas atuais e primitivas. A grande diferença é que hoje em dia, nós utilizamos a atividade física de forma sistematizada e metodológica, de maneira esportiva ou recreativa, organizada dentro das mais diversas técnicas, buscando sempre qualidade de vida, bem-estar e performance. Totalmente diferente do homem primitivo, que utilizava as ferramentas do corpo de uma forma aleatória, somente para a realização das suas necessidades primordiais – que eram física e demasiadamente exigentes – e, sobretudo, para a sua sobrevivência.