Todos sabem que é importante trabalhar os músculos do corpo para um melhor condicionamento físico e para uma boa qualidade de vida. Entretanto, a grande maioria das pessoas se esquecem que nós também temos músculos na face, e que eles são solicitados a todo instante.

Esses músculos são responsáveis pela realização de diversas funções como, mastigação, deglutição, respiração entre outras e também pela expressão dos sentimentos como sorrir, chorar, falar, etc. Assim, é importante trabalhar esses músculos para que tenhamos uma boa capacidade funcional desses mecanismos e também porque com o passar do tempo, nossos músculos vão ficando cada vez mais flácidos e a ocorrência de marcas e linhas de expressão ficam cada vez mais evidentes.

BexigaAlguns dos exercícios mais eficazes para o rosto são: encher uma bexiga, fazer movimentos de sucção com um canudo, estalar a língua, e massagear o rosto com os dedos das duas mãos, fazendo movimentos diagonais de dentro para a fora. No início, todos eles devem ser feitos com um número moderado de repetições (ex: 3×15-20), passando para um número mais alto, de acordo com a evolução do condicionamento dos músculos. O tempo que se leva para fazer todos esses exercícios é de no máximo 10 minutos.

Já é amplamente bem documentado e comprovado, os benefícios dos exercícios com pesos sobre a capacidade funcional, força de membros inferiores, aumento da densidade mineral óssea, aumento da massa muscular, maior gasto calórico em repouso pelo aumento do metabolismo basal, diminuição de gordura, melhora da mobilidade, melhora da postura, melhora da função cardiovascular, equilíbrio da regulação hormonal, entre outros, na população idosa. Dentre todos os estudos que investigam os efeitos do treinamento de força em idosos, os que mostram resultados significativos, são aqueles que se utilizam de programas de treinamento com altas intensidades de sobrecarga. 

Diante desse quadro, podemos perceber com clareza que todo esse aglomerado de benefícios ocorre também na população jovem e de meia idade, e de uma forma mais exuberante e abrangente, pois todos os decréscimos fisiológicos pelos quais somos submetidos com o avanço da idade serão inibidos pela prática de treinamentos com pesos, proporcionando-nos um envelhecimento saudável e com independência funcional.

Dentre os sistemas de treinamentos com pesos, os mais eficientes para um envelhecimento saudável são o Treinamento Funcional com cargas tensionais, pesos livres e cabos, e o Levamento de Peso Olímpico. Esses dois sistemas se utilizam de um trabalho muscular amplo e integrado, fazendo com que os benefícios gerais sejam muito maiores e com mais qualidade do que os sistemas convencionais.

Referência bibliográfica:

Posicionamento Oficial American College of Sports Medicine. Mazzeo, Cavanagh, Evans, Fiatarone, Hagberg, McAuley, Startzel (1998).

Nos últimos anos, muitos treinadores e praticantes de atividade física, têm incluído em sua programação de treinamento, exercícios que utilizam alguma situação de desequilíbrio em acessórios como bolas, bosus, pranchas, entre outros.

Esses exercícios agem nas regiões mais intrínsecas da musculatura do corpo, atingindo os mecanismos neurais, que levam a informação da situação de desequilíbrio para o cérebro e que, por sua vez, responde reorganizando as estruturas coordenativas do corpo para o reequilíbrio. Essas ‘trocas de informações’ obrigam o corpo a criar adaptações que levam a uma maior consciência corporal, agilizando a capacidade de reação do corpo, e tornando-nos menos propensos a lesões articulares causadas, principalmente, por entorses.

Porém, é preciso ter cautela, quando da prescrição desses exercícios. Não é recomendável a utilização de pesos ou qualquer outro implemento durante a sua execução. Isso pode causar uma situação de desequilíbrio extremo, correndo risco de ocasionar lesões e acidentes. Fazer força e se equilibrar é uma situação que não combina. Outro caso que também não dá certo são os exercícios que não tem nada a ver com o objetivo da pessoa, por exemplo: uma dona de casa que almeja apenas melhorar o seu condicionamento físico, jamais deve realizar um agachamento de pé sobre uma bola. Portanto, é necessário haver coerência e bom senso na preconização desses exercícios.

Veja alguns exemplos de exercícios em superfícies instáveis:

Menos é mais

March 31, 2012

Muitas pessoas passam horas a fio na academia, pensando que quanto mais tempo treinarem, maior será o ganho no resultado que buscam.

Isso é um ledo engano. Os resultados que conseguimos com o treinamento acontecem através de mecanismos e eventos fisiológicos ocorridos durante o período de repouso. Então, quanto mais tempo durar o estresse imposto ao organismo pela atividade física, maior terá que ser o tempo de recuperação. E com o dia a dia que possuímos, fica quase impossível satisfazer essa necessidade. 

Muitos estudos bem documentados mostram que atletas de elite submetidos a sessões de treinamento sem exageros na duração, obtiveram melhores resultados na performance do que quando seus treinos duravam mais tempo.

Uma sessão de treino bem feita em 40 minutos é mais interessante do que aquela que dura umas duas horas e meia. Ou seja, quantidade não é sinônimo de qualidade, principalmente no mundo da atividade física.

Agilidade e coordenação são duas capacidades físicas que se interdependem, e que são muito importantes para a realização da grande maioria das ações esportivas e também para as tarefas do dia-a-dia.

O indivíduo que treina essas duas capacidades, aprimora não só a sua utilização para as ações corporais, como também para ações que envolvem uma maior velocidade de raciocínio, pois como já é bem documentado,  o nosso corpo realiza todo e qualquer movimento mediante o comando do cérebro.

Para treinar a agilidade e a coordenação de forma eficiente, priorizamos exercícios que exijam ações de deslocamento do corpo para todos os sentidos e direções das mais variadas formas, e também alguns exercícios que envolvam velocidade de reação.

Abaixo seguem alguns exemplos de exercícios:

Já é sabido que o treinamento com pesos proporciona um grande auxílio no combate à osteoporose. A grande maioria dos médicos recomenda a musculação como o maior contribuinte para a regeneração da massa óssea.

Entretanto, qualquer método de condicionamento físico que envolva força muscular, seja ela realizada através de aparelhos, barras, halteres, elásticos, o próprio corpo como sobrecarga ou qualquer outro acessório que propocie um trabalho de força juntamente com atividades e exercícios que tenham um pouco de impacto, estimulará a produção de osteoblastos que são as células responsáveis pela formação e regeneração dos ossos. Isso é mais do que claro em qualquer evidência científica.

O Treinamento Funcional prioriza substancialmente a capacidade humana de se movimentar, além de trabalhar e desenvolver a força muscular das mais variadas formas. Além do mais, o Treinamento Funcional é uma junção de diversos métodos de condicionamento. Portanto é uma das alternativas mais interessantes para o aprimoramento e recuperação da saúde dos ossos.

Em todo tipo de movimento ou deslocamento que fizermos haverá sempre a predominância de trabalho de uma ou mais capacidades físicas, de acordo com a exigência de uma determinada atividade.

Como já foi citado, anteriormente em outros posts e nunca é demais lembrar, as capacidades físicas são: força, resistência, velocidade, coordenação, equilíbrio e flexibilidade. Uma vez aprimoradas essas capacidades de forma harmônica, nós podemos melhorar/desenvolver algumas qualidades como noção espaço-temporal, agilidade, potência, explosão, reflexo, consciência corporal, entre outras.

A importância de se dar atenção à todas essas capacidades, é que podemos explorar o que o nosso corpo pode produzir em termos de movimentos eficientes, o que leva a um menor risco de ocorrência de lesões. É importante dizer, que um determinado esporte ou atividade requerem uma solicitação maior de uma ou mais capacidades físicas especificamente. Por exemplo, se um atleta pratica um esporte onde se predomina potência e explosão, as capacidades físicas que se devem priorizar serão força e velocidade, porém em alguma fase do treinamento as outras capacidades devem ter alguma atenção. Portanto, ressalto que é determinante, tanto para o atleta quanto para o entusiasta do fitness, ter a orientação de um treinador que saiba em que momento ou fase de treinamento se encaixam as capacidades físicas.

Como já foi falado em posts anteriores, o Treinamento Funcional traz inúmeros benefícios a todos os tipos de público. Contudo, existem alguns exercícios e programas de treino que são fundamentais para a saúde, condicionamento físico e bem-estar das mulheres e feitos sob medida para elas.

Dentro de cada sessão de treinamento, nós enfatizamos o trabalho de fortalecimento dos músculos estabilizadores do tronco (principalmente abdome, core e músculos lombares), do quadril (principalmente glúteos) e dos membros inferiores (principalmente coxas), que por se localizarem numa região intrínseca do corpo, são responsáveis pela realização de movimentos mais exigentes e posturas mais complexas.

O fortalecimento dessas partes do corpo feminino fazem com que elas sofram muito menos e/ou nenhma lesão, tenham menos ou quase nenhuma dor, mesmo com a presença de diagnósticos reumatológicos, como fibromialgia, artrose, e outros, auxilia no tratamento da depressão e dos transtornos de humor, melhoram o desempenho em suas tarefas diárias, seja em casa, no trabalho ou nos esportes.

Além dos inúmeros benefícios citados, as mulheres que praticam esse método de treino adquirem como consequência e recompensa pelo esforço, uma visível melhora da estética e aparência, justamente por trabalhar o corpo o tempo todo sempre, especialmente as regiões do abdome, glúteos e pernas com uma grande variedade de exercícios eficientes e que realmente trazem resultados satisfatórios. Ademais, atrelada a todos esses benefícios, temos a crescente melhora da auto-estima, advinda do aprimoramento das capacidades funcionais e da satisfação com os resultados estéticos.

No nosso método de Treinamento Funcional para mulheres, cada sessão de treino é dinâmica e prazerosa, e também se adapta e respeita a individualidade e o nível de condição física de cada uma.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

O segmento populacional que mais cresce é o de pessoas com 85 anos ou mais. Com as pessoas vivendo mais, é preciso determinar como o exercício e a atividade física podem contribuir para a melhora da saúde, capacidade funcional, qualidade de vida e independência nesta população.

Por ser um método de condicionamento que trabalha todas as capacidades físicas – força, equilíbrio, resistência, coordenação, velocidade e flexibilidade – o Treinamento Funcional aparece como uma das alternativas mais eficientes para se trabalhar com a população idosa.

Dentre os inúmeros benefícios que o Treinamento Funcional pode trazer à população da terceira idade, podemos destacar o ganho da massa e força muscular; aumento da densidade óssea e do fortalecimento articular; melhora da estabilidade postural, reduzindo o risco de lesões, quedas e fraturas associadas; auxílio na flexibilidade e amplitude de movimento; e incremento do equilíbrio e da coordenação e da capacidade de reação.

Além do mais, a prática regular do Treinamento Funcional fornece vários benefícios psicológicos relacionados à preservação das funções cognitivas, melhora dos sintomas de depressão e comportamento, e um aumento no conceito de controle pessoal, capacidade funcional, independência física e auto-eficácia, resultando, assim, numa elevação da auto-estima e do bem-estar.

Referência bibliográfica: Mazzeo et al (1998) – Revista Brasileira de Atividade Física & Saúde.

Siga o Tiago no Twitter
Converse com o Tiago no Facebook – curta a página

O corpo inteligente

May 30, 2011

Nosso corpo funciona através de uma rede altamente complexa de sistemas e eventos celulares e fisiológicos, onde cada ação orgânica gera uma reação em cadeia. Seu equilíbrio se traduz em harmonia, e sua falta de sincronismo causa um desarranjo orgânico.

Os métodos de treinamento físico têm a finalidade de aprimorar o trabalho do sistema musculoesquelético, respeitando a individualidade de cada pessoa. Cada método com suas particularidades, todos buscam gerar harmonia para desenvolver as habilidades corporais e, consequentemente, melhorar a capacidade funcional de quem pratica.

O Treinamento Funcional tem como objetivo principal trabalhar todas as capacidades do indivíduo, ou seja, tudo o que o ser humano é capaz de fazer, com esse tipo de trabalho, ele fará melhor ainda. Em todas as eventualidades em que necessitar seja de força, de equilíbrio, de coordenação, de agilidade, ou de qualquer outra funcionalidade física, o corpo responderá de forma automática e inteligente.

Numa única sessão de treino nós trabalhamos, de forma atrelada, todas essas capacidades físicas, aproveitando totalmente a integração orgânica do corpo humano, tornando-o mais inteligente para a realização de movimentos.

Coordenação e agilidade

Consciência corporal, equilíbrio, força

Equilíbrio, coordenação